0

Resenha: “A mulher na janela”, de A. J. Finn, publicado pela Arqueiro

Meio parecido com vários do gênero, A mulher na janela é um thriller que funcionou bem para mim
516lY+rtNOL._SY445_QL70_Informações Gerais
Título original: The woman in the window
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580418323
Páginas: 352
Ano (edição): 2018
Autor: A. J. Finn
Nota Skoob: 4.2

Thrillers ser tornaram, há algum tempo, meus livros preferidos. Tanto que comecei a devorá-los com intensidade. E chegou a um ponto que a maior parte já não se mostrava tão original ou surpreendente como a maioria deles deveriam ser. Isso é o que acontece com todo o leitor em vários gêneros depois que a leitura se torna um hábito. No entanto, em A mulher na janela, consegui ser convencido por aquela história que estava sendo contada e, em alguns momentos, até fui surpreendido. Mas acima de tudo, é um livro que permite o debate para os problemas psicológicos. Continuar lendo

Anúncios
0

Resenha: “Novembro de 63”, de Stephen King, publicado pela Suma de Letras

Quase um dos melhores livros do King
51Cd7e68M1LInformações Gerais
Título original: 11/22/63
Editora: Suma de Letras
ISBN: 9788539005277
Páginas: 727
Ano (edição): 2013
Autor: Stephen King
Nota Skoob: 4.6

Nada melhor para um leitor encontrar um livro que considera ótimo, uma grande leitura. Melhor ainda quanto é de um autor que este leitor gosta muito. Mas e quando o livro é muito bom e, ao mesmo tempo, deixa a desejar em alguns aspectos? Este leitor fica com um sentimento ambíguo em como e o quê falar sobre este livro. Esta é a sensação que sinto perante a Novembro de 63, um dos livros mais comemorados de Stephen King, um dos meus autores preferidos. O livro é, sem dúvida, muito bom, mas é, sem dúvida também, uma obra com alguns problemas. Continuar lendo

0

Resenha: “De volta para casa”, de Seana McGuire, publicado pela Morro Branco

Precisamos falar sobre as diferenças e “De volta para casa” consegue fazer isso de forma satisfatória
DE_VOLTA_PARA_CASA_1516641774749541SK1516641774BInformações Gerais
Título original: Every Heart a Doorway
Editora: Morro Branco
ISBN: 9788592795252
Páginas: 184
Ano (edição): 2018
Autor: Seanan McGuire
Nota Skoob: 3.9

Em uma época em que a discussão sobre as diferenças, e, consequentemente, o respeito a elas, aumentou consideravelmente e virou um assunto de ordem, é racional entender que também cresceu o número de conteúdo em relação ao tema. Diante disso, são diversos livros que vem tratando, muitas vezes de forma metafórica ou simplesmente ficcional, mas não menos importante, assuntos como estes. Confesso que não li tantas obras relacionadas a isso, mas o mais recente que tive a oportunidade de conhecer foi De volta para casa, que pareceu funcionar muito bem dentro do que se propôs. Continuar lendo

0

Resenha: “Vá, coloque um vigia”, de Harper lee, publicado pela José Olympio

Vá, coloque um vigia é um livro que não precisaria ser continuação de O sol é para todos, mas é importante por debater assuntos como feminismo
810FjusshuLInformações Gerais
Título original: Go set a watchman
Editora: José Olympio
ISBN: 9788503012485
Páginas: 252
Ano (edição): 2015
Autor: Harper Lee
Nota Skoob: 3.6

Os livros chamados de clássicos, mas nem tão conhecidos no país até então, ganharam uma grande força recentemente. Um caso pode ser Kindred, de Octavia Bluter, ou O conto da aia, de Margareth Atwood. Outro, um pouco mais conhecido, é O sol é para todos, de Harper Lee. Este tem uma continuação, Vá, coloque um vigia. Não é tão famoso e nem tão clássico com o primeiro volume, mas tem sua importância. Mas todos eles, escritos há muitos e muitos anos, têm em comum assuntos sociais, como racismo e o feminismo. Que são, também, assuntos muito atuais, parecendo que a sociedade não evoluiu. Continuar lendo

0

Resenha: “O homem de giz”, de C. J. Tudor, publicado pela Intrínseca

Um livro bom mas que poderia ter sido melhor
downloadInformações Gerais
Título original: The chalk man
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788551002933
Páginas: 272
Ano (edição): 2018
Autor: C. J. Tudor
Nota Skoob: 3.9

Nos últimos anos, livros de suspense se tornaram os meus preferidos. E por começar uma leitura quase compulsiva, li tantos que me tornei um pouco chato com as obras deste gênero. Diferente de lá atrás, agora nem todas me impressionam ou me convencem. Considero suspense um dos estilos mais complicados de se escrever pois, por exemplo, diferente da fantasia ou da distopia, aqui se tem um universo real, e qualquer coisa colocada dentro do mistério proposto pode passar do ponto e soar um pouco irreal, fazendo com que o livro perca parte da qualidade. E senti um pouco disso em O homem de giz. Continuar lendo

0

Resenha: “Os elefantes não esquecem”, publicado pela HarperCollins Brasil

Mesmo previsível, Os elefantes não esquecem é um bom suspense
elefantesInformações Gerais
Título original: Elephants can remember
Editora: HarperCollins Brasil
ISBN: 9788520936528
Páginas: 168
Ano (edição): 2014
Autor: Agatha Christie
Nota Skoob: 3.9

Os elefantes não esquecem é mais uma das várias histórias de suspense criadas pela Agatha Cristhie, e, segundo a nota do Skoob, uma dos com menor nota entre os leitores. Eu entendo esta avaliação, mas não concordo. Os elefantes não esquecem entrega uma boa história dentro da proposta da autora e novamente vemos em ação o excêntrico Hercule Poirrot, um dos mais tradicionais personagens do gênero de suspense no mundo todo. Continuar lendo

0

Resenha: “Hex”, de Thomas Olde Heuvelt, publicado pela DarkSide Books

Hex é representado por aquele meme “credo, que delícia”

hexInformações Gerais
Título original: Hex
Editora: DarkSide Books
ISBN: 9788594540690
Páginas: 368
Ano (edição): 2018
Autor: Thomas Olde Heuvelt
Nota Skoob: 4.2

Hex é o livro mais terror que já li nos últimos tempos. Dessa forma, posso dizer que saí um pouco da minha zona de conforto e tive uma grata surpresa de diversas formas. O livro foi cercado de um hype gigantesco desde que foi lançado. Eu não entrei na onda. Não criei expectativas que poderiam vir a não ser alcançadas. Mas decidi ler pela boa repercussão. É um livro de terror, que não assusta tanto, mas que tem uma porção de horror que agrada, porém, acima de tudo, é uma metáfora de todos os males presentes na sociedade atual. Continuar lendo