Resenha: “Harry Potter e as Relíquias da Morte”, de J. K. Rowling, publicado por Rocco

O fim de uma série. O fim de uma era. O início de um mito. A consolidação de um gênio chamado J.K. Rowling
Capa_Harry_Potter_e_as_Relíquias_da_Morte_(livro)Informações Gerais
Título original: Harry Potter the Deathly Hallows
Editora: Rocco
ISBN: 9788532522610
Páginas: 592
Ano: 2007
Autor: J. K. Rowling
Nota Skoob: 4,7

Como é difícil a despedida de uma série tão marcante. Harry Potter está além de qualquer outra história. O seu peso para a literatura é grande, ninguém discute. Mas a importância do livro extrapola isso a partir do momento em que se tornou um dos maiores fenômenos da sétima arte. Hoje é uma história clássica tanto no mundo literário, quando no mundo cinematográfico. É dois em um. É, literalmente, mágico. Mesmo só tendo lido agora, depois de ver e rever todos os filmes, a história fascinou. E terminou de maneira grandiosa, da forma que deveria mesmo.

Harry Potter e as Relíquias da Morte, o desfecho da série fantástica, narra a corrida do protagonistas ao lado de Hermione e Rony na busca pelas Horcruxes, uma tarefa deixada por Dumbledore antes de morrer. Mas essa corrida não vai ser fácil, como tudo na vida de Harry. Agora que todos sabem que Voldemort voltou e seus comensais o estão servindo, o bruxinho se tornou “persona non grata” e, para se livrar das garras do vilão, precisará completar a tarefa quase que invisível ao mundo, viajando a todo momento, deixando sua vida, a escola, amigos de lado. Se for capturado, ele já sabe: Voldemort acabará com ele.

Enquanto foge do vilão e busca as Horcruxes, ele ainda descobre as Relíquias da Morte, que, se existirem, poderão ajudar na luta para destruir seu algoz. Com tantos fatos em seu enredo, o livro traz tudo que um leitor quer: boa história, muita ação e coerência. O livro não decepcionou em nada. Foi, repito, tão grandioso quanto merecia. Na minha visão, foi o livro mais completo e sem enrolação de toda a série, embora numa primeira impressão possa parecer que ele seja repetitivo pela busca das Horcruxes ou nas fugas de Voldemort e dos comensais.

dh-uk-kids-jacket-art

Uma das capas originais

Os acertos foram muitos. Mas a coerência e inteligência da J.K. Rowling são, sem dúvidas, os maiores destaques deste último livro, mas também de toda a série. Não só o desenvolvimento do enredo particular do desfecho mas como toda a explicação dos fatos conhecidos em livros anteriores. Tudo se encaixou e percebemos que não houve uma criação mirabolante para explicar acontecimentos descritos ao longo dos sete livros. A autora começou a série sabendo onde queria chegar. E, lamentavelmente, hoje vemos que a maioria dos escritores não têm esse cuidado. Temos muitos exemplos. Por isso a genialidade dessa mulher chama tanta atenção e é tão festejada.

De fato, não tenho muitos defeitos a destacar. De forma geral, pra mim, tudo se encaixou de forma muito agradável e coesa. Talvez, e aí não por culpa da autora nem dos tradutores, pode ser do leitor, um pouco de confusão ou bagunça na descrição de alguns momentos de bastante ação – lutas ou fugas, por exemplo. Neste quesito, não me recordo nada mais a acrescentar, de fato. Neste último livro, a vilania está muito mais presente uma vez que Voldemort agora é realidade e seus comensais estão livres para pensar, falar, agir e ser parte dele. Isso, possivelmente, tenha deixado o livro mais completo que os anteriores, já que neles a ação do vilão ocorria “por baixo dos panos”. Saber da luta direta entre antagonista e protagonista deixou a leitura mais prazerosa.

Não tenho muito mais a acrescentar, pois são só elogios e poderá ficar repetitivo. (Spoilerzinho: o salto de tempo no fim do livro talvez tenha incomodado um pouco, mas foi divertido conferir como se desenrolou a vida dos principais personagens ao longo do tempo). Elogiar a escrita, por exemplo, é, como dizem, chover no molhado. A maneira como Rowling escreve é peculiar e cativante – e se manteve linear em todas as obras. A tradução é uma das melhores em todos os livros que tenho lido. O trabalho de tradução pegou os meandros da original e não deixou escapar em momento algum. E, apesar de edição econômica com páginas em branco, a série especial de capa branca é das mais lindas e se destaca entre os demais livros.

Harry Potter e as Relíquias da Morte (J. K. Rowling, 2012, Editora Rocco, Série Harry Potter)

Capa da edição especial que li

Enfim, minha memória afetiva ficará muito mais por conta dos filmes do que dos livros, já que cresci indo ao cinema ver Harry Potter e não lendo a série. Mas uma coisa não é melhor nem pior que a outra. Sentirei, de toda forma, falta de personagens tão bem criados e de uma história magnificamente desenvolvida. O mundo da fantasia e o mundo real andando juntos de forma que muitos pensariam que poderia não funcionar, mas que não só deu certo, como virou fenômeno.

Finalizo a série dando cinco estrelas para Relíquias da Morte e favoritando a série como um todo.

Notas 5

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s