Resenha: “À Roda da Lua”, de Júlio Verne

Fala pessoal! Tudo bem? Hoje eu trago para vocês a resenha de À Roda da Lua, clássico escrito por Júlio Verne. Confira!

13866911_1020641768054482_1948801151_n.jpg

Da Terra à Lua (no original, De la Terre à la Lune) é um livro do escritor francês Júlio Verne, publicado em 1865.
Conta a saga do Gun Club (Clube do Canhão), uma organização estadunidense especializada em armas de fogo, canhões e balística em geral, e da ideia de seus membros em construir um enorme canhão para arremessar um projétil de forma cilindro-cônica à Lua.
Um aventureiro francês chamado Michel Ardan, de modos extravagantes, propõe que o projétil lançado seja tripulado e se apresenta como candidato à “astronauta”. Depois desta surpreendente proposta, dois dos membros do “Gun Club” também embarcam nesta “loucura”. Para que este empreendimento se realizasse, foram construídos um canhão, uma bala oca, e um telescópio, todos de dimensões impensáveis, a quantidade de pólvora usada também era de volumes impensáveis.
Depois de disparada, a bala quando se aproximou da Lua, em vez de aterrissar, entrou em órbita da própria lua. Os três passageiros apenas tinham mantimentos para 3 meses, ficando a saga em aberto. O futuro dos três astronautas, é descrito na obra À roda da Lua.

Uma das incontestáveis qualidades do Júlio Verne é a capacidade com que ele faz suas palavras renderem. E em À  Roda da Lua, vemos isso de forma clara e objetiva.

Esse é um livro que recomendo para todos, não só pelo caráter curioso, mas pelo fato de que quando estamos lendo, estamos em contato com uma perspectiva, e uma ficção do século XIX, é isso é muito legal, pois nos faz dar risada pelo tipo de pensamento que as pessoas tinham naquela época se tratando de viagens espaciais.

Esse livro foi estruturado de forma bastante curiosa e que não afetou em nada a qualidade da leitura. O acontecimento que dá começo ao livro, que é o do lançamento do projétil em direção à lua com três homens dentro, é apenas um fato e a raiz da história mesmo é o que se sucede dentro do projétil, as divagações dos três homens, suas obervações, discussões e descobertas feitas em relação a Lua.

Eu até cheguei a pensar que isso tornaria a história monótona, mas estamos falando de Júlio Verne, então, receio desse tipo não tem vez.

O personagens são bastante divertidos e um diferente do outro, com saberes, personalidade e qualificações diferentes e isso torna a convivência entre ambos bem legal de se ler.

O autor trata através das discussões calorosas dos protagonistas, assuntos desconhecidos e os questiona de forma curiosa, de alguém que admira o desconhecido.

Existem muitas coisas no livro que são extremamente bobas para nós hoje em dia, por exemplo, os personagens vão para a Lua achando que encontrarão vida e que poderão viver lá, igual vivem na Terra e existem partes que chegam a ser bastante inocentes, pois eles são lançados no espaço sem conhecimento e noção alguma de tudo, e em minha opinião eu vejo isso com fascínio, pois é extremamente bacana você ler uma obram assim através dos olhos e da criatividade do autor naquela época. Afinal, daqui a uma centena de anos passaremos por meros inocentes para uma sociedade um tanto mais avançada.

O ambiente que Verne cria é bastante criativo e minucioso, como tenho dito. Detalhes não faltam  e os diálogos fluem de uma forma corriqueira e divertida, tendo até explicações algébricas pelo meio, mas nada com que se assustar.

O autor sabe dar ênfase a certos momentos, assim como sabe jogar certa tensão no ar, mesmo que por pouca coisa. A leitura flui de forma rápida e sem divagações desnecessárias.

Ao narrar sua história, faz-se de forma que nós leitores vamos explorando e descobrindo junto com os personagens, transmitindo aquela sensação de estar explorando junto o espaço, através daquele projétil.

Nesse livro, somos espectadores de teorias e descobertas e só nos faz apreciar mais as viagens escritas por Verne.

Não poupo admirações para tratar das obras de Júlio Verne. É o meu escritor favorito, com uma imaginação grandiosa e um dom de transcrevê-la maior ainda. Nesse livro não apenas somos levados junto para essa viagem arriscada, como somos entretidos por uma narrativa simples e cativante.

11652075_579332818874199_304993955_n

Informações Gerais:
Editora: RBA
ISBN:   9788447328628
Páginas: 254
Ano: 2003
Autor: Júlio Verne

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s